UnB não vê mudanças com o Bilhete Único

Usuários que dependem da integração para a chegada na Universidade se dizem surpresos e confusos com a “novidade”

Por Allan Michael,  Melissa Duarte, Iara dos Santos 

O Governo de Brasília (GDF) e a Secretária de Mobilidade lançaram o cartão +Brasília Cidadã, também chamado de Bilhete Único, em 22 de setembro. Segundo eles, a ideia do cartão é aumentar a economia de quem depende da integração entre transportes públicos no DF, como é o caso de diversos servidores, técnicos administrativos e funcionários terceirizados da Universidade de Brasília (UnB), por exemplo. No entanto, eles não veem mudanças. Estudantes já usufruem do passe livre durante o período letivo.
Segundo o GDF, a grande vantagem desse novo cartão seria a possibilidade de realizar até três viagens de ônibus e/ou metrô no período de duas horas, pagando somente uma passagem. Assim, o passageiro que necessite realizar integração pagaria R$5. Quem já a utilizava antes da mudança, por sua vez, não conhece o Bilhete Único, não o possui ou diz que esse sistema não traz novidade.
A servidora da UnB Eliane Holanda, de 36 anos, usa o transporte público para se deslocar até o trabalho diariamente e não vê diferenças com o novo cartão. “Eu pego seis ônibus por dia, três pra vir, três pra voltar. No caso, eu moro em Santa Maria e pego um circular para o terminal, do terminal para a rodoviária e, lá, o 110. Ele [o cartão] cobra só R$5, assim eu gasto R$10 por dia. Do tempo que eu tenho meu cartão integração, eu faço isso de passar três vezes, no prazo de duas horas, pagando só uma passagem. Então, para mim, continua a mesma coisa, não vi mudança com esse bilhete único”, relata.
A troca pelo novo cartão não é obrigatória. Para adquiri-lo, é fácil. Basta ter 18 anos e ir a um dos 20 postos de atendimento do DFTrans espalhados pelo DF, com RG (ou documento equivalente, como passaporte e Carteira Nacional de Habilitação) e CPF. Na retirada, é necessário apresentá-los e realizar recarga mínima de R$10, revertidos em valor de passagem.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *