No dia 7 de junho, cerca de 200 servidores técnico-administrativos, professores e estudantes se reuniram no Ceubinho em protesto contra as demissões de funcionários terceirizados propostas em relatório inicial da comissão, formada pela reitoria, sobre os problemas orçamentários da UnB.

O ato foi recheado de críticas à gestão da reitoria, que tomou posse em novembro de 2016 - vindas, justamente, de muitos dos que fizeram campanha contra o então reitor Ivan Camargo e a favor de Márcia Abrahão, que venceu as eleições com discurso crítico e à esquerda.

Nem por isso, porém, as entidades da comunidade universitária pouparam a recém-empossada reitora. Associação de Docentes da UnB (ADUnB), o Sindicato dos Trabalhadores (Sintfub) e o Diretório Central dos Estudantes (DCE Honestino Guimarães) se juntaram para se mostrar contrários às possíveis demissões.

O Campusito, twitter do Campus Online, acompanhou o ato e narrou as críticas à gestão, bem como o apoio dos manifestantes aos terceirizados:

No ato, um abaixo-assinado dos Centros Acadêmicos da UnB foi lido. Assista:

 

 

O chefe de gabinete da reitora Márcia Abrahão, Paulo Cesar Marques, que é professor da Faculdade de Tecnologia, também esteve no ato e prestou algumas explicações:

 

 

Uma das ideias sugeridas pelo ato foi a criação de um comitê permanente em defesa dos trabalhadores e contra as demissões.

A reitoria afirma que busca o diálogo e que, antes de começar a negociar com as empresas terceirizadas, falou com os sindicatos dos trabalhadores. Veja a resposta completa do Decanato de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional (DPO) clicando aqui.