Como nessa semana o Campus não publicou nenhuma matéria no site, o foco do leitor acaba recaindo sobre as mídias sociais. A atual equipe vem executando bem algo que foi experimentado no semestre passado: as transmissões ao vivo no Facebook falando sobre as pautas e instigando o leitor a acompanhar a produção.

Um ponto que ainda pode assustar os leitores é o excesso de informalidade na linguagem. O Campus parece ter recuado nessa questão e caminha para o equilíbrio. A flexibilidade do Twitter permitiu uma cobertura muito boa do debate sobre parto humanizado, como todas as outras que a equipe vem fazendo. O Instagram também está convidativo e bem organizado.

A discussão sobre informalidade se refere também à qualidade dos vídeos: apesar de o conteúdo ser mais importante que uma qualidade técnica impecável, é complicado fazer transmissões ao vivo tão pixeladas que não conseguimos nem enxergar o que está no projetor e reconhecemos com dificuldade os apresentadores.

No mais, os leitores provavelmente aguardam ansiosos uma reportagem sobre a destruição das pracinhas do subsolo do ICC, feita pela Reitoria com o pretexto de coibir o fumo no local. Expectativas altas para as próximas produções.